domingo, abril 24, 2005

The Fourteenth

Depois daquele post bastante deprimente, muito derrotista e indigno de alguém da minha têmpera, este era inevitável (até porque é o que vem a seguir!).

Esclarecimentos:
- estou na fossa? Sim
quero lá ficar? Não

- estou apaixonado? Não
do I want to be? Sim

- estou viciado em jogos (PC, PS2, etc.)? Sim
isso perturba a minha vida? Sim

- ando a fazer pela vida? Não
tenciono alterar isso? Sim

- tenho ciúmes da pessoa de quem quem assina como satyras se sente atraída? Sim
essa pessoa, apesar do que acho dela, fez por merecer os afectos dela? Sim

- sou quase insensível? Sim
gosto de o ser? Não

Isto, entre outras coisas, são coisas que tinham de ser ditas. O 13º (bom nº, realmente...) post foi muito esquivo.

Houve uma altura em que eu queria ser insensível, imune a tudo, já cantavam os Hammerfall "Stone Cold Metal Machine" e foi algo que me ficou na alma...
E foi crescendo e evoluindo, dei por mim a conseguir derrotar os caprichos do coração (embora saiba agora que foi o melhor que podia ter feito, quem eu amaria sei eu agora que me iria arrepender de amar)...
Embora, tenha sido o bom camino a tomar, sei que teve um preço bastante elevado: coma cardíaco no plano espiritual. Deixei de sentir a raiva flamejante do ciúme, a chama ardente da paixão, a sensação da realização de um bom desempenho, a felicidade da vitória, a euforia do triunfo sobre alguém! E refugiei-me na máquina: a minha alma foi como que "vendida" à PS2 e ao PC, pois é neles que existo como ser possível e activo, in real life I pretty much don't care anymore.

Ganhei alguma coisa, no entanto. Estou muito mais forte filosofica e literariamente, consigo alhear-me mais facilmente às coisas (tanto o que me agrada como desagrada) e ser directo no que tenho a dizer é cada vez menos um problema.
Há algumas falhas provenientes da supremacia mental: a concentração exige mais tempo, MUITO mais tempo e, como Fernando Pessoa, tenho que pensar o que sinto e não consigo sentir o que penso... aliás, sentir tornou-se um problema, algo sobre o qual não exerço qualquer influência e cuja realização não depende de acções minhas mas sim de algo que me escapa completamente.

Amar... é um verbo curioso. Eu amo, tu amas, ele/ela ama, nós amamos, vós amais, eles amam... e isto sem o necessário complemento directo para que adquira o significado romântico.
Já amei? Na altura, responderia que "Sim, já amei.". Hoje sei que nunca amei verdadeiramente. Já estive, 2 vezes, intensamente apaixonado por uma rapariga (uma diferente em cada vez), paixões essas, que sempre me trouxeram dissabores amorosos, desilusões românticas, que nunca deram em nada... isto não me tornou receptivo à actividade do Amor&Paixão, lda. Isto porque não sou masoquista, porque a dor amorosa sempre foi algo que me feriu gravemente... foi com ela que provei o néctar ácido do Ódio, o fervente sumo da Fúria e o frio vinho da Angústia.

"Ohhh, coitadinho do garzinho... Kromgar quer miminho? Quer? Vem cá, que eu dou miminho ao Kromgarzinho!"
Eu nem à Lady Satyras admitiria isto, que isto fique claro! Não almejo atingir o amor, a felicidade por pena de outrém!!!
Se tal fizer com que arda no Inferno, assim seja! Se devo pagar pelo que fiz na Terra, que o faça sem ter demónios e companhia a dizer "ohhh, queres que a gente te faça uma festinha?", "queres um beijinho, para não doer?"... o dia em que a minha honra me permitir aceitar que isto aconteça será o dia em que não serei mais quem sou mais alguém desprezível, que não merece o respeito e afecto de ninguém!
Perfection cannot be achieved through pity, Perfection requires might, majesty and force!

Quanto ao Caso satyras, tenho a dizer que não percebo o porquê dos afectos dela por quem os sente, é algo que me escapa, mas compreendo que os sinta. Afinal, ele faz por passar tempo com ela, trata-a com carinho, etc. Sendo quem sou, não me vou envolver numa luta por ela, num triângulo amoroso, não quero competir por ela... não nestas condições! Recuso-me a tentar ser algo que não conseguiria ser!
Ela exige mais do que eu consigo dar neste momento, ela exige um ser decidido, forte, engraçado (pelo menos, para ela... eu acho execrável o humor dele), asseado (sim, a minha higiene anda pelos lados de "deplorável") e mais coisas que eu desconheço devido a:
- ser homem;
- não gostar dele como pessoa;
Muitos me diriam "Estás doido? Ela vai ler isto!", eu responder-lhes-ia "É verdade, mas não faz mal. O que aqui escrevo é a verdade, nada mais. Só espero não a perder."

Departamento de Diversão&Prazer - Secção de Jogos
Diria que 60% de mim está ocupado nisto: quando não jogo, penso em jogar.... ou em novos jogos para comprar! É natural que isto me prejudique: descem as notas, perco horas de sono, não saio de casa. E ainda me admiro de não saber como me comportar em sociedade, de me sentir pouco à vontade com pessoas por quem me sinto atraído... é natural que tais coisas aconteçam, tenho pouca ou nenhuma experiência nesses assuntos :|
É verdade que é divertido poder inserir um DVD-ROM/CD-ROM num/a PC/consola e deixar-me levar pelo jogo. Posso ser tanta gente:
- Dante (Devil May Cry)
- Joe (Viewtiful Joe)
- Ysuran Auondril (Dark Alliance II)
- Cloud (Final Fantasy VII)
- Gray Fox (Metal Gear Solid: The Twin Snakes)
- Edison Trent (Freelancer)
- The Rock (série WWE SmackDown!)
- Cell (Dragon Ball Z Budokai 3)
- Ken Masters (série Street Fighter)
E fazer coisas como balear gente, humilhar monstros em combate, dominar o mundo, subjugar toda uma galáxia... é algo bastante atractivo, mas tudo fictício e consome bastante tempo em alguns casos. É algo que não devo tornar obrigatório nem proíbido.

Bem, demorei uma hora e alguns trocos(1:52 - 3:05) a escrever isto e nem sei se terei escrito tudo, mas quero-me despachar que quero ver o compacto Dragon Ball Z às 9:30, e ainda tenho um almoço a seguir!

Até à próxima, se não for antes ;)

Devil May Cry!

2 comentários:

Satyras disse...

Como já tinha prometido, vim aqui ver o teu sempre excelente blog... não sei onde aprendeste a escrever assim (se calhar não aprendeste), mas és a unica pessoa de quem eu posso dizer isto!
Demorei para vir aqui apenas por esquecimento e depois de ler não posso dizer que estou arrependida, mas posso dizer que estou realmente a morrer de vergonha... Mas pronto a vida continua! Não consigo comentar as partes que s calhar m podem dizer respeito (se calhar tou a ser demasiado convencida, mas entendi assim), mas apenas posso dizer que nada muda e que é bom que desabafes, pois não será essa a razão de me "perderes"! Beijinhos e continua smp!

Kromgar disse...

Não quis dizer nomes para não expôr ninguém, mas, visto assim não o fazer, é de ti que falo. *tenta fazer um ar sério, mas acaba por se rir um bocado* ;)